Desde o segundo semestre de 2015 o termo “desbancarização” tem sido muito utilizado e vem ganhando cada vez mais destaque. Mas, você pode estar me perguntando: afinal, o que é desbancarização?

Muito simples: desbancarizar é basicamente migrar alguns serviços costumeiramente oferecidos pelos grandes bancos para outras instituições, principalmente no que se refere a investimentos, seguros e financiamentos/crédito.

Os bancos de varejo (que atendem ao grande público) de forma geral são grandes instituições que possuem diversos produtos e serviços para atender a todo e qualquer tipo de necessidade que um cliente possa ter com suas finanças.

Em teoria, estes bancos deveriam estar preparados para prestar o melhor serviço a seus clientes no que tange investimentos, financiamentos, serviços diversos e assessoria financeira. Porém, o que de fato encontramos é um descolamento muito grande entre o que os bancos deveriam oferecer e o que de fato oferecem.

Na prática, os grandes bancos gastam fortunas com campanhas de marketing e luxuosas agências, tudo para captar o maior número de clientes, extrair ao máximo seu dinheiro e entregar o mínimo possível de serviços e retornos aos seus clientes.

Muitos dos serviços carregam adjetivos gourmerizados e são amplamente divulgados, mas em quase nada ajudam na vida do cliente. Eles servem muito mais para ajudar os gerentes das agências a baterem suas metas e fazer com que o banco lucre dezenas de bilhões todos os anos ($$$).

Leia o artigo “Desbancarização e o Cafezinho Mais Caro do Mundo: Personalitte, Prime, Select e Estilo” e saiba muito mais sobre esse assunto!

Este cenário abriu espaço para que outras instituições financeiras e empresas startups pudessem oferecer serviços direcionados a esse público carente de bom atendimento e serviço de qualidade.

Logo, esse movimento permitiu que clientes insatisfeitos com seu banco, pudessem se desbancarizar.

O Que é o Movimento de Desbancarização

plataforma aberta de investimento - desbancarizarO primeiro esboço da desbancarização no Brasil foi o desenvolvimento de plataformas abertas de investimentos, uma vez que essas plataformas permitem aos usuários desbancarizar seus investimentos.

Uma plataforma aberta de investimentos pode ser comparada com um shopping financeiro, onde o investidor encontra em um único ambiente, diversos produtos de diversas instituições financeiras.

Logo, é um conceito mais moderno e mais apropriado aos investidores no que tange veículos de investimentos, já que é possível investir e comparar produtos de várias instituições e não somente do banco onde o usuário tem conta.

Para ter acesso a um shopping financeiro, basta abrir uma conta em uma corretora de valores independente (que não seja a corretora do seu banco) que possua uma plataforma aberta, ou seja, que trabalhe com diversas instituições financeiras.

Para saber mais, recomendo a leitura do artigo: “Desbancarize Seus Investimentos: Saiba Porque”.

As Contas Eletrônicas (iConta Itaú, DigiConta e outras)

Em seguida veio a publicação da Resolução Bacen 3.919, de 25/11/2010.

Entre outros aspectos, esta resolução proibiu a cobrança de tarifas por parte dos bancos, para transações realizadas exclusivamente por meios eletrônicos (caixa eletrônico, internet e aplicativos de celular).

No início do ano seguinte, o Banco Central anunciou publicamente que seria admitida a conta eletrônica. Nesse ambiente surgiu então a iConta Itaú, o Pacote Digital do Banco do Brasil, e a DigiConta do Bradesco.

Sem nenhum interesse por parte desses grandes bancos, essas contas eletrônicas não foram amplamente divulgadas, por motivos óbvios.

É importante mencionar que os bancos permitem abertura de contas eletrônicas para qualquer pessoa física, porém, se você é correntista no Itaú, por exemplo, e deseja ter uma iConta Itaú, é necessário fazer a transferência de sua conta atual para a modalidade iConta. Não é permitido a manutenção de duas contas.

Alguns de nossos leitores relataram dificuldades na hora de transferir suas contas da modalidade tradicional para a iConta Itaú. O educador financeiro Rafael Seabra publicou em seu blog dois artigos sobre esse tema que recomendamos a leitura: “Como abrir uma iConta Itaú” e “Como abrir uma conta digital no Banco do Brasil”.

O Cartão Nubank: sem ligação com bancos e isento de anuidades e tarifas

nubank - aplicativoEm setembro de 2014, uma startup fundada por um grupo de engenheiros e desenvolvedores de sistemas desenvolveu um cartão de crédito tecnológico, sem ligação com bancos, isento de anuidades e tarifas, válido no exterior e controlado por um aplicativo de celular: o cartão Nubank.

Além das vantagens acima listadas, a proposta do cartão Nubank é tecnologia de ponta, transparência, respeito ao consumidor e taxas baixas.

Sem vínculo com bancos, a administradora de cartões Nubank opera seu cartão em parceria com a MasterCard.

Para obter o cartão Nubank, além de ser proprietário de um smartphone com sistema iOS ou Android, o consumidor precisa ser aprovado em uma análise de crédito. Temos relatos que essa análise pode ser feita em algumas horas, ou durar meses, depende muito caso a caso.

Todo esse ambiente de infraestrutura tecnológica, regulamentação e consumidores insatisfeitos com o serviço prestado pelos bancos e cansados das taxas elevadas, fez com que o movimento de desbancarização ganhasse muita força a partir de 2015.

O Agente Autônomo de Investimentos

De olho no movimento de desbancarização e afim de ajudar o poupador brasileiro a otimizar seus investimentos, em 2011 com a instrução CVM 497/2011, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) regulamentou a profissão de agentes autônomos de investimentos (AAI).

Esses profissionais são responsáveis pela distribuição e prestação de serviços e informações financeiras aos investidores, para ajudá-los a desbancarizar seus investimentos.

Roteiro para desbancarizar

Para te oferecer um roteiro completo passo a passo de como desbancarizar, utilizaremos o estudo de caso de um leitor, cujos dados pessoais não serão divulgados por questões de privacidade. Utilizaremos o nome fictício de Carlos.

Mostraremos o passo a passo de cada uma das seis etapas que o Carlos fez para desbancarizar seus investimentos financeiros.

As 2 formas para desbancarizar

Antes de entrar no roteiro, quero enfatizar que há duas formas para desbancarizar:

  1. Desbancarizar com assessoria: quando o investidor contrata um escritório de assessoria de investimentos ou um assessor de investimentos para orientá-lo.
  2. Desbancarizar sem assessoria: quando o investidor persegue o roteiro da desbancarização por conta própria, sem orientação profissional.

Desbancarização com Assessoria

Desbancarizar com Assessoria de InvestimentosA vantagem da desbancarização com assessoria é que ela traz benefícios adicionais, como planejamento financeiro, carteira de investimentos monitorada e a segurança de que todas as etapas foram cumpridas corretamente.

Para saber mais, recomendo a leitura do artigo: “4 Razões para Ter Uma Assessoria de Investimentos”.

Você quer saber como o Carlos se desbancarizou? Leia esse artigo até o final que vou te contar passo a passo tudo que ele fez.

Motivos para desbancarização

O Carlos é casado, médico, tem 35 anos, atende em seu consultório particular e também dá plantões em dois hospitais de São Paulo. Portanto, é muito ocupado.

Ele estava muito insatisfeito com os serviços e atendimento prestados pelo seu banco. Ele não estava seguro como deveria proceder, mas sabia que tinha que se mexer para otimizar seus investimentos e assim conquistar uma aposentadoria tranquila.

Então, o Carlos procurou se educar financeiramente, acompanhando portais de notícias financeiras, blogs sobre educação financeira, leu livros sobre finanças e procurou compreender novas formas de investir seu dinheiro.

Após muito estudo, ele aplicou todo o conhecimento obtido em seu dia a dia.

O Carlos nos explicou tudo o que ele fez e montamos esse guia para você saber:

  • O que fazer para desbancarizar seus investimentos.
  • Como fazer a desbancarização.
  • Como ele se sentiu após se desbancarizar.
  • Quais foram os obstáculos encontrados nessa jornada.
  • Quais os resultados obtidos com a desbancarização.
  • O que ele recomenda para outras pessoas.

Passo #1 para desbancarizar: Organize Suas Contas em Uma Planilha

Organize seus investimentosUtilize uma planilha Excel ou um software de gestão financeira de sua preferência ou aplicativos de finanças pessoais e organize suas contas.

Coloque de maneira clara e de fácil visualização:

  • Em quais bancos você tem conta
  • Quanto dinheiro você tem em cada banco
  • Quais tipos de investimentos financeiros você tem:
    • Poupança
    • CDB
    • Tesouro Direto
    • Previdência
    • Fundos de Ações
    • Entre outros
  • Qual a rentabilidade dos seus investimentos bancários
  • Quais os riscos que você está correndo
  • Quais os serviços bancários que você usa:
    • Plano de aporte
    • Débito automático de contas
    • Fechamento de câmbio
    • Seguros
    • Entre muitos outros serviços oferecidos pelos bancos

Passo #2 para desbancarizar: Entre em Contato com Um Assessor de Investimentos (o Carlos fez assim, mas é opcional)

A maioria das corretoras de valores independentes (não vinculadas à bancos) permitem que escritórios de assessoria de investimentos ou assessores de investimentos independentes, ofereçam atendimento aos seus clientes.

Logo, com uma rápida pesquisa, você encontrará uma corretora que aceita esse modelo e um assessor de investimentos.

Para saber mais, recomendo a leitura do artigo: “4 Razões para Ter Uma Assessoria de Investimentos

Após falar com um assessor de investimentos:

  • Elabore junto com ele um planejamento financeiro.
  • Descubra o seu perfil de investidor: seu assessor de investimentos tem as ferramentas corretas e saberá te orientar nessa etapa.
  • Escute as orientações de seu assessor de investimentos para sempre aprimorar sua educação financeira. Peça orientação de leitura, cursos e informações do mercado financeiro.
  • Estude os produtos financeiros: saiba quais os tipos de investimento o mercado oferece.
    • Descubra qual o investimento mais apropriado para o seu perfil de investidor.
    • Conheça os riscos de cada investimento e como mitigá-los.
  • Monte uma estratégia de alocação de ativos que corresponda com seus objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo e que seja adequada ao seu perfil de investidor.

Passo #3 para desbancarizar: Abra sua conta em uma corretora de valores e ative-a

A terceira etapa que o Carlos executou para desbancarizar seus investimentos foi abrir sua conta em uma corretora de valores independente e ativá-la.

Neste artigo, não entrarei no detalhe, mas vou apenas listar algumas premissas a observar na escolha de uma corretora de valores:

  • Relação preço Vs serviços oferecidos
  • Infraestrutura tecnológica
  • Índice de satisfação dos clientes
  • Sofisticação
  • Depósito mínimo exigido
  • Atendimento ao cliente / SAC
  • Disponibilidade de produtos
  • Tamanho (porte) / Robustez
  • Número de instituições financeiras que a corretora distribui ativos
  • Quantidade de ativos e fundos disponíveis

Para saber mais sobre esse assunto, recomendamos a leitura do artigo: “Desbancarize Seus Investimentos: Saiba Porque”.

Conta em uma Corretora

Escolhida a corretora, abra uma conta. O processo de abertura de contas pessoa física varia de corretora para corretora. Porém, normalmente é bastante simples.

Basta preencher a ficha cadastral disponibilizada pela corretora com seus dados, assinar e anexar um comprovante de residência.

Em seguida, transfira seu dinheiro para sua conta na corretora e ela será ativada. Isso é feito através de um DOC ou TED da sua conta bancária para a sua conta na corretora. Como é utilizados o mesmo CPF (você para você), o processo é muito seguro e transparente.

Identifique seu Perfil de Investidor

O próximo passo é preencher um pequeno questionário conhecido como “Suitability”. Este questionário identificará o seu perfil de investidor. Através dele você saberá os tipos de investimentos adequados para você.

O “Suitability” é exigido justamente para proteger o investidor contra investimentos desalinhados com seu perfil. Por exemplo, se um investidor possui perfil conservador, ele fica impedido de investir em ações, que é um investimento para perfil agressivo.

Monte uma carteira de investimentos

Alocação de AtivosApós conhecer seu perfil de investidor, familiarize-se com a plataforma aberta de investimentos disponibilizada pela sua corretora. Verifique os investimentos nela disponíveis e monte uma carteira alinhada com seu perfil e objetivos financeiros.

Nesta etapa, um assessor de investimentos pode contribuir com bastante valor agregado. Se você optou pela desbancarização sem assessoria, a maioria das corretoras possuem profissionais para atender seus clientes.

E, então, assine os termos de responsabilidade exigidos para cada tipo de investimento.

Por fim, a exemplo do Carlos, se você optou por uma desbancarização mais completa, incluindo investimentos e serviços, contrate os serviços opcionais, como: iConta Itaú e o cartão Nubank.

Passo #4 para desbancarizar: Aprove sua carteira de investimentos e aloque seus recursos

Se ao contrário do Carlos, você optou por desbancarizar seus investimentos sem assessoria, uma vez estudado os produtos, se você está confortável, faça a alocação dos seus ativos através da plataforma da sua corretora.

Porém, assim como o Carlos, se você optou pela desbancarização com assessoria, estude a alocação sugerida por seu assessor e valide-a.

Crie o hábito de sempre acompanhar sua carteira de investimentos e os movimentos do mercado financeiro.

Mais uma vez, seu assessor de investimentos pode te ajudar muito nesse passo.

Uma outra dica é: use o máximo possível os aplicativos disponibilizados por sua corretora. Algumas delas oferecem excelentes ferramentas, inclusive aplicativos mobile, onde é possível acompanhar a performance da sua carteira, fazer aplicações e resgastes.

Passo #5 para desbancarizar: Eduque-se periodicamente

Educação FinanceiraSe você deseja otimizar seus investimentos, é importante que esteja constantemente aprimorando sua educação financeira.

Há formas muito simples para executar essa tarefa. Existem diversos portais financeiros e blogs sobre educação financeira de excelente qualidade.

Segue alguns blogs que lemos e recomendamos, além do Caminho para Riqueza:

Entre os portais de notícias financeiras recomendamos:

Sites recomendados:

Passo #6 para desbancarizar: Faça manutenção periódica dos seus investimentos

Sempre que julgar necessário ou interessante, realoque seus investimentos. Procure sempre perseguir seus objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo.

A orientação de seu assessor de investimentos é muito valiosa, bem como sua opinião a respeito de seus investimentos. Porém, é muito importante conversar com outros investidores também.

Na medida do possível, participe de grupos de discussão, faça contato com outros investidores dentro e fora de sua corretora.

Outra importante recomendação é ficar sempre atento ao noticiário. Algumas notícias causam fortes impactos no mercado financeiro.

E, mais uma vez, invista em sua educação financeira sempre que possível.

Nesta sexta e última etapa para desbancarizar, seu assessor de investimentos pode contribuir muito. Esteja próximo a ele.

Resultados da Desbancarização

Após contar sua experiência, Carlos nos relatou os resultados que ele obteve com a desbancarização.

Economia com taxas e tarifas e maior rentabilidade para seus investimentos foram alguns dos principais benefícios que ele mencionou.

Não menos importante, ele aprimorou muito sua educação financeira e hoje tem muito mais confiança e segurança para fazer os melhores investimentos com o seu dinheiro.

Porém, nem tudo é perfeito e o processo para desbancarizar não necessariamente é bom. Dá trabalho: se desligar do banco, escolha de uma corretora, transferência do dinheiro, assinatura de contratos e termos, contratação ou não de uma assessoria de investimentos, cancelamento de cartões e contratação de serviços alternativos.

E então, gostou das dicas de nosso leitor Carlos e do roteiro que preparamos para você?
Está preparado para desbancarizar?

Compartilhe esse artigo com outras pessoas nas redes sociais. :) Deixe seus comentários!

Conclusão

Com a leitura deste artigo você aprendeu:

  • O que é o movimento da desbancarização.
  • Os 2 tipos de desbancarização.
  • Diferença entre desbancarizar com e sem um assessor de investimentos.
  • “Novidades” (nem tanto!) como as contas eletrônicas e o cartão Nubank.
  • Roteiro completo, em 6 passos, para desbancarizar.

[epico_capture_sc id=”478″]

Seja informado a cada novo post!

Assine e receba novos posts diretamente em seu email

Sobre o autor

Daniel Guedine

Daniel Guedine é empreendedor, autor e co-fundador do Caminho para Riqueza, clique para ler mais...