Como gerenciar patrimônio familiar? Confira 6 dicas

A adequada gestão do patrimônio familiar é um importante elemento agregador dentro do grupo social mais basilar, que é a família. A má ingerência sobre os bens de família, ao contrário, pode motivar conflitos diversos entre os parentes.

Quando não se tem uma correta educação financeira e as pessoas se deixam dominar pela ganância, os prejuízos podem ser tanto afetivos quando financeiros. Nesses casos, o patrimônio familiar acaba destruído ou separando os membros da família.

Veja a seguir 6 dicas que vão te ajudar a gerenciar patrimônio familiar contribuindo para aumentá-lo e unificar ainda mais a família!

1.  Realize investimentos ao longo da vida

Fazer investimentos é uma forma vigorosa de multiplicar os rendimentos. O importante é não investir sem controle, mas selecionar cuidadosamente os investimentos de acordo com seu próprio perfil e/ou de seus familiares.

Tipos de investimentos

Existem diferentes tipos de investimentos, divididos basicamente em dois grupos principais: renda fixa e renda variável. A renda fixa envolve riscos menores, mas também pode conferir bons lucros (CDBs, LCIs, LCAs, LFTs, NTNBs, debêntures e assim por diante). O Tesouro Direto engloba títulos de renda fixa do próprio governo federal, mas existem títulos de empresas privadas também.

Apesar de existirem melhores alternativas de investimentos, a caderneta de poupança também é uma opção, ainda que não ofereça bons rendimentos. É uma forma de guardar dinheiro com relativa segurança, sem pagar impostos, nem taxas de administração.

Renda variável

A renda variável envolve ações, câmbio, ouro e costuma envolver riscos maiores. Mas atualmente o investimento em ações é bastante diversificado e existem opções mais seguras, incluindo os fundos de ações. Os fundos de investimentos em geral costumam ser opções que equilibram os riscos com as oportunidades de lucros, já que diversificam os títulos. O ouro também é considerado uma alternativa para quem deseja manter uma reserva de dinheiro.

Outros investimentos

O COE (Certificado de Operações Estruturadas) é outra forma de investimento que vem crescendo no país.

O consórcio (especialmente o imobiliário e o de veículos) é considerado uma forma de aumentar o patrimônio, já que ajuda a poupar dinheiro durante um período específico para adquirir um determinado bem.

Comprar imóveis (casas, apartamentos, terrenos, estabelecimentos comerciais) também é uma forma de investimento, seja para uso próprio, seja para locação ou mesmo revenda. A aquisição de imóveis está ligada diretamente ao aumento e à manutenção de patrimônio familiar.

Guia de Planejamento Financeiro Pessoal e investimentos

2. Envolva os filhos e os eduque para administrar os negócios

Outra dica importante para gerenciar patrimônio familiar é ensinar aos filhos a importância dos recursos financeiros e materiais da família. Quanto mais cedo eles aprenderem o valor do dinheiro, mais cedo poderão assumir os negócios e levar adiante a manutenção dos bens de família.

Preparar-se para o futuro

Cientes de que não devem depredar o patrimônio, mas conservá-lo e aumentá-lo, os filhos poderão se preparar para o futuro, evitando brigas e dissensões por causa dos recursos e garantindo um futuro mais estável para si mesmos e para seus pais, bem como para seus futuros descendentes.

Deve-se salientar a importância de manter o patrimônio para as futuras gerações, dando continuidade a um trabalho que se iniciou anos atrás e diminuindo os riscos de que algum membro familiar venha a ficar desprotegido no futuro.

3. Certifique-se de que os filhos estão à vontade

Os pais devem não somente ensinar valores aos filhos, mas precisam ter certeza de que eles estão se sentindo à vontade com a ideia de assumirem essa responsabilidade.

Existe muita pressão quando se trata de gerenciar patrimônio familiar, principalmente se esse patrimônio for muito grande. No entanto, quanto mais cedo eles aprenderem a gerir os bens de família, mais habituados a essa tarefa eles ficarão.

Gerir os bens da família

Na verdade, nem todos apresentam capacidade administrativa latente, mas podem desenvolvê-la ou, ao menos, se comprometerem a dar sua parcela de contribuição na gestão patrimonial.

Comprometer-se com o patrimônio é a melhor forma de garantir sua longevidade. Se os bens são dissipados ou há desinteresse na gestão de sua manutenção, a tendência é que, pouco a pouco, o patrimônio vá se reduzindo e possa mesmo acabar. Há inúmeros exemplos nesse sentido.

Para se aprofundar sobre o conteúdo deste artigo vale a pena ler e estudar os livros:

4. Escolha com cuidado o seu sucessor

No caso de cuidar de algum negócio específico, os pais precisam escolher com cuidado o filho que será o sucessor. Porém, é importante que seja passada confiança para todos os filhos, independentemente de quem vai assumir o negócio da família.

A sucessão não está relacionada à partilha de bens, mas à administração de uma empresa, de uma fazenda e assim por diante.

Delegar funções aos diferentes filhos

Além disso, é possível delegar funções aos diferentes filhos, especialmente quando se tem uma empresa grande ou vários negócios. Desse modo, evitam-se conflitos pela liderança e/ou pela sucessão, que geralmente podem repercutir negativamente na gestão do patrimônio familiar.

É importante tomar decisões em conjunto, de forma democrática, permitindo que todos participem das resoluções tomadas. É fundamental que cada filho entenda o porquê de determinada decisão.

5. Procure uma assessoria especializada

Para gerenciar patrimônio familiar com eficiência, uma boa solução é contratar os serviços de uma assessoria especializada. Não é necessário que a administração fique restringida somente aos familiares. Empresas de assessoria, desde que sejam efetivamente confiáveis, podem desenvolver um bom trabalho.

Elas podem ajudar na:

Os filhos poderão interagir com essa empresa a fim de aperfeiçoarem seus conhecimentos e suas habilidades.

Faça uma consultoria de investimentos

6. Evite vender em excesso

Um antigo provérbio dos produtores rurais diz que

“o sol nasce para quem compra e se põe para quem vende”.

Essa é uma verdade que a experiência e a prática dos empreendedores tendem a confirmar.

Para gerenciar patrimônio familiar, é fundamental ter noção de que patrimônio vale mais que dinheiro em espécie, caso ele não esteja investido corretamente. Isso porque, apesar de representar dinheiro, o patrimônio tende a se manter por muito mais tempo.

A importância do patrimônio

Casas e terrenos, por exemplo, são imóveis e permanecem durante muitos anos, podendo atravessar diferentes períodos de valorização/desvalorização. Quando se vende um imóvel, a tendência é gastar o dinheiro, a não ser que ele seja usado para comprar outro imóvel ou ser aplicado em algum investimento promissor.

A importância de uma empresa ou negócio

Uma empresa pode gerar rendimentos por muitos anos, mesmo considerando queda na lucratividade. Vendendo-a, o gestor não terá mais esses rendimentos. Atualmente, para superar crises, muitos empreendedores fundem ou incorporam empresas ou recorrem a outro tipo de operação societária — nesse caso, o gestor não se desfaz do negócio, é criado um novo tipo de sociedade que pode ser vantajoso para a organização, permitindo que ela permaneça no mercado.

Quando se vende partes do patrimônio de forma descontrolada, ele vai ficando cada vez mais reduzido. Pense sempre em outras possibilidades antes de vender, considerando que um bem fixo vale mais que muito dinheiro disponível, mas sem destinação definida.

Gerenciando seu patrimônio familiar

Agora que você já sabe como gerenciar patrimônio familiar, entre em contato e tenha uma equipe de assessores que conhecem o assunto, para orientá-lo com seu problema.

Caminho para Riqueza

Por Caminho para Riqueza

Caminho para Riqueza é um blog de educação focado em investimentos financeiros.

Comentários