Caro leitor, em algum momento de sua vida você já se fez alguma das seguintes perguntas:

  • Toda vez que saio do meu banco tenho a sensação de que poderia estar fazendo investimentos muito melhores, mas não sei por onde começar. Será que estou correto? A quem eu poderia recorrer?
    .
  • Deixo meus investimentos no meu banco, afinal é o que todos fazem e tenho um gerente que cuida da minha conta. Logo, me sinto seguro. Mas, será que estou sendo bem assessorado? Quais os riscos que estou correndo?
    .
  • Assim como a maioria dos poupadores brasileiros, tenho uma poupança e um plano de previdência no meu banco. Assim me sinto seguro e com a impressão que terei uma aposentadoria próspera. Será que estou no caminho certo?
    .
  • Que tipo de investimento existe fora do meu banco? Quais os riscos e como posso acessá-los?

Fenômeno da Desbancarização

Escrevi esse artigo para responder a todas essas questões e te apresentar a um fenômeno que já ocorreu nos EUA e Europa e agora está em plena expansão no Brasil: a desbancarização (leia nosso artigo anterior sobre o tema). Isso mesmo, desbancarização.

Quero orientá-lo para que você alcance a prosperidade financeira e a primeira dica que eu deixo é: desbancarize seus investimentos e faça com que eles rendam mais.

Complementar a este artigo eu gravei um vídeo de 7 minutos onde eu falo mais sobre isso. O vídeo mostra o suficiente para entender porque seus investimentos rendem mais após a desbancarização.

Desbancarize Seus Investimentos

Desbancarize Seus Investimentos

Desbancarize: faça seus investimentos renderem mais

A grande maioria dos investidores brasileiros, principalmente o pequeno e médio investidor, deixa seus recursos sob administração do gerente do seu banco.

Por falta de conhecimento sobre o mercado financeiro, na maioria das vezes, o cliente (investidor) simplesmente acata a primeira sugestão que seu gerente mostra. No máximo ele pergunta ao gerente se é o melhor para ele. Se a resposta for sim, ele simplesmente manda fazer.

Para o investidor, existem basicamente três problemas que podem acontecer nesse cenário:

  1. O gerente do banco não oferecer o melhor produto financeiro para ele, mas sim para o banco. Principalmente em momentos de aperto quando ele está precisando bater metas ou quando o banco lança campanhas de bonificação pela venda de um produto específico. Acredite, isso acontece muito.
    .
  2. O banco não possuir o produto financeiro mais adequado para o cliente. Logo, mesmo que o gerente seja idôneo e tenha boa vontade, ele só pode oferecer aquilo que o banco possui e muitas vezes, o produto financeiro não está alinhado com a necessidade do investidor.
    .
  3. Falta de acompanhamento ou pós-venda. Mesmo que o gerente seja idôneo e o banco possua bons produtos para o perfil do investidor, o gerente muito provavelmente estará sobrecarregado cuidando da conta de centenas ou até milhares de clientes. Logo, ele não consegue acompanhar de perto e diariamente a carteira de investimentos do cliente e as oportunidades que ele poderia ter.

Em resumo, na grande maioria das vezes o investidor está extremamente mal assessorado, investindo seu dinheiro em produtos desalinhados com o seu perfil, com baixa rentabilidade e sequer fica sabendo das boas oportunidades para alocar o seu dinheiro. Acrescente ainda as altas taxas e tarifas cobradas pelos bancos. É a triste realidade.

Infelizmente, são pouquíssimos investidores que tem acesso a um serviço realmente qualificado no Brasil.

Investidor mal assessorado - desbancarização

Caderneta de poupança: um péssimo investimento

Por isso a caderneta de poupança é o investimento mais popular no Brasil. É um péssimo investimento, mas a maioria dos brasileiros poupadores tem algum dinheiro na poupança.

Porém, em diversos momentos (ano de 2015, por exemplo), a caderneta de poupança tem rendimentos inferiores a inflação. Isso significa que o investidor pode perder dinheiro investindo na poupança.

Previdência privada: atenção

Outro tipo de investimento comum entre os brasileiros é a previdência privada. Esse investimento pode sim ser bom. Repito, pode ser, mas não necessariamente é bom.

A maioria dos planos de previdência privada dos grandes bancos cobram taxas de administração elevadíssimas fazendo com que o rendimento ao investidor apenas empate com a inflação.

Desbancarização: bem vindo ao “shopping financeiro”

Dado que na cultura do brasileiro os investimentos são realizados nos bancos, você deve estar se perguntando:

Se meu banco não é o melhor caminho para eu fazer meus investimentos, qual é esse caminho?

Como você sugere que eu faça esta referida desbancarização?

O movimento de desbancarização está introduzindo aos brasileiros o conceito mais moderno e mais apropriado aos investidores no que tange veículos de investimentos. Podemos apelidar esse conceito de “shopping financeiro”.

O shopping financeiro nada mais é do que uma plataforma aberta de investimentos.

O investidor não só encontra diversos produtos (títulos de renda fixa, fundos, títulos de crédito privado, tesouro direto, etc), assim como ele encontra na plataforma de seu banco, como também encontra diversos bancos, cooperativas de crédito, assets, financeiras entre outros players do mercado financeiro.

Logo, no mesmo ambiente (plataforma), o investidor pode comparar os diversos produtos das diversas instituições e escolher aquele que for mais apropriado para ele. Muito mais interessante, não é?

Shopping financeiro - desbancarização

Para ter acesso a este referido “shopping financeiro”, basta abrir uma conta em uma corretora de valores independente (que não seja a corretora do seu banco) e que possua uma plataforma aberta de investimentos.

Como escolher uma corretora para ter acesso a um shopping financeiro

Neste artigo não vou entrar nos detalhes de como escolher a melhor corretora para você abrir sua conta, mas vou te deixar algumas dicas importantes que você deve avaliar. Atribuo o crédito para Rafael Seabra do blog Quero Ficar Rico.

  1. Relação preço Vs serviços oferecidos – nem sempre um bom desconto faz de uma corretora a melhor alternativa;
    .
  2. Infraestrutura tecnológica – verifique ao longo do dia se os sistemas/plataformas estão sempre no ar;
    .
  3. Índice de satisfação dos clientes – procure saber o que os atuais clientes da corretora falam sobre ela;
    .
  4. Sofisticação – verifique os sistemas oferecidos, aplicativos para celular, homebroker, consulta e movimentação da conta por celular, etc;
    .
  5. Depósito mínimo exigido – se uma corretora exige um investimento mínimo para abrir conta acima do montante que você está disposto a investir, procure outra;
    .
  6. Atendimento ao cliente / SAC – procure testar o serviço de atendimento ao cliente antes de abrir sua conta;
    .
  7. Disponibilidade de produtos – existem diversos produtos e opções de investimentos. Nem toda corretora oferece todas as opções. Como você está procurando um shopping financeiro para frequentar, escolha aquele que oferece a maior gama de produtos e serviços.

Desbancarização e o Assessor de Investimentos

Agora que você está mais por dentro do fenômeno da desbancarização (nosso primeiro artigo sobre desbancarização, leia-o também, você não se arrependerá) e de como acessar um shopping financeiro, você deve estar se perguntado:

Com tantas opções de investimento, como vou saber escolher o melhor produto para mim? Preciso de ajuda. A quem posso recorrer?

De olho no movimento de desbancarização e afim de ajudar o poupador brasileiro a otimizar seus investimentos, em 2011 com a instrução CVM 497/2011, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) regulamentou a profissão de agentes autônomos de investimentos (AAI).

Esses profissionais são responsáveis pela distribuição e prestação de serviços e informações financeiras aos investidores.

O agente autônomo de investimento, tem justamente o papel de avaliar o seu perfil de investidor e te orientar para que você faça os melhores investimentos de acordo com seus objetivos.

Gosto de comparar o trabalho do AAI com o trabalho de um médico. O AAI é o profissional que vai examinar seu perfil de risco de investidor e seus objetivos e dar o melhor diagnóstico para seus investimentos.

Você também pode contar com o AAI para obter informações sobre produtos financeiros, condições de mercado e oportunidades de investimentos permanentes e pontuais.

O custo de um agente autônomo de investimento

Logo de partida eu gosto de mitigar uma grande objeção que deve estar passando pela sua cabeça.

Para alcançar minha prosperidade financeira devo aderir ao movimento de desbancarização, onde terei acesso a um shopping financeiro e um assessor de investimentos para me orientar e fazer meus investimentos renderem mais.

Mas, quanto isso custa? Deve ser muito caro! Será que vale a pena mesmo assim?

Isso é um grande engano! A maioria dos Assessores de investimentos não cobra nada pelo seu serviço. Isso mesmo: é de graça! O investidor não paga nada por esse serviço.

Muito pelo contrário, o investidor deixa de pagar taxas e tarifas dos bancos que normalmente são elevadíssimas.

Se você me perguntar onde está a mágica, a resposta é muito simples. Não tem mágica!

Quando você entra no seu banco para investir com o gerente da sua conta, o banco logicamente tem que remunerar a agência e o próprio gerente. Porém, essa taxa de remuneração já está embutida na taxa de rentabilidade do investimento. Ela não é visível ao investidor.

O mesmo ocorre quando seu investimento é realizado através de uma plataforma aberta de investimentos ou shopping financeiro. Porém, ao invés de remunerar a agência e o gerente da conta, o banco irá remunerar a corretora que por sua vez, repassará parte da remuneração ao AAI.

Assessor de investimentos - desbancarização

Desbancarize seus investimentos: como é em outros países?

Muito bom para ser verdade, não é? É por isso que em mercados mais desenvolvidos como a Europa e principalmente nos EUA, a desbancarização já está amplamente difundida.

Nos EUA apenas 4% dos investimentos são realizados nos grandes bancos, enquanto 96% são realizados nos chamados shoppings financeiros. Uma outra estatística interessante é que nos EUA a profissão de financial adviser (assessor de investimentos) está entre as 4 carreiras mais desejadas entre os jovens.

No Brasil, o movimento de desbancarização chegou bem mais tarde devido a diversos fatores. Posso citar fatores culturais, tecnologia, regulamentação e a fortíssima pressão da indústria financeira brasileira, cujo oligopólio dos grandes bancos é dificílimo de ser rompido.

Porém, felizmente para o investidor, desde 2013 a desbancarização ganhou força no Brasil e é um movimento que certamente veio para ficar.

Quero te fazer uma pergunta.

Depois de ler esse artigo você se sente preparado? Quer entrar nessa jornada da desbancarização e antecipar a conquista de sua prosperidade financeira?

Leia também nosso artigo “Desbancarização e o Cafezinho mais caro do mundo: Personnalite, Prime, Select e Estilo”.

Conclusão

Nesse artigo te ensinamos como acelerar a conquista de sua prosperidade financeira e o primeiro passo para você entrar nessa jornada: a desbancarização.

Também te ensinamos o que é o movimento de desbancarização e como você pode desbancarizar seus investimentos.

Ainda, introduzimos um conceito muito importante para a desbancarização que é o shopping financeiro ou plataforma aberta de investimentos. Deixamos também algumas dicas de como escolher sua corretora de valores.

Por fim, apresentamos o profissional adequado para te orientar na otimização dos seus investimentos e te proporcionar rentabilidade e segurança: o Agente Autônomo de Investimentos (AAI).

Agora, diga para nós! Você gostou desse artigo? Sente-se confortável para aderir ao movimento da desbancarização?

E por último, você pretende desbancarizar seus investimentos?

Deixe seus comentários! Compartilhe esse artigo nas redes sociais! :)

Você desejar receber conteúdo mais específico sobre desbancarização e assessoria de investimentos?

[epico_capture_sc id=”478″]

Seja informado a cada novo post!

Assine e receba novos posts diretamente em seu email

Sobre o autor

Avatar

Daniel Guedine

Daniel Guedine é empreendedor, autor e co-fundador do Caminho para Riqueza, clique para ler mais...