fbpx

Correlação entre as bolsas de valores mundiais e a Bovespa

Compreender como as bolsas de valores funcionam é uma atividade que todo investidor de ações e outros ativos financeiros devem melhorar a cada dia. Mesmo para quem conhece e aplica o value investing, é importante ter esse entendimento. Uma das coisas que colabora para avançar nesse ponto é entender como se dá a correlação entre as bolsas de valores mundiais.

A correlação entre as bolsas de valores é cada vez mais comum e o impacto do desempenho de outras bolsas de valores é ainda maior nos países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil. Dessa forma, é importante compreender quais mercados são mais importantes para a economia brasileira ou para o mercado no qual se está investindo.

Crise Coronavírus retangular

Globalização e relações comerciais

A partir da década de 1970 com a abertura econômica que ocorreu na maioria dos países do mundo, as inter-relações entre as economias mundiais aumentou drasticamente. Dessa forma, impactos econômicos em determinados países tendem a se alastrar para outras regiões do globo com ainda mais facilidade.

Queda na bolsa

Nesse contexto, portanto, há diversos eventos que podem impactar outras economias. Por exemplo, uma queda brusca da bolsa de valores de um país como o Brasil, tende a gerar impactos negativos nas bolsas de valores de outros países com economias em tamanhos similares, como Turquia, Índia ou países que exportam para o Brasil, como a Argentina.

“flight to safety”

Esse movimento ocorre, porque se entende que quando há um evento negativo em algum país em desenvolvimento, há uma possibilidade de ser repassado para outros. Portanto, ocorre que o se convencionou chamar em inglês de “flight to safety”, ou seja, os investidores tendem a retirar o dinheiro desses mercados e enviar para mercados considerados mais seguros.

Queda conjunta

Bons exemplos de eventos similares a esse ocorreram na década de 1990, com as crises do México em 1994, dos Tigres Asiáticos em 1997, Rússia em 1998 e do próprio Brasil em 1999. Verifica-se nesses períodos uma queda conjunta dos mercados desses países. Um exemplo ainda mais recente, é a instabilidade comercial em relação à Turquia em 2018 onde ocorreu o mesmo movimento mas os problemas demoraram pouco tempo.

Dessa forma, é interessante saber quais bolsas caminham juntas, sobretudo em relação à bolsa brasileira, quais empresas são afetadas por quais mercados e como as bolsas se comportam em momentos de tensão, como crises financeiras globais ou pandemias como o Coronavírus de 2020.

Correlação entre as bolsas de valores do Brasil e China

A ascensão da economia chinesa também trouxe impactos positivos para as economias de outros países do mundo, sobretudo aqueles que são exportadores de commodities, como é o caso do Brasil. Dessa forma, o ritmo da economia chinesa tende a gerar um impacto considerável na bolsa de valores brasileira.

Apesar da economia brasileira ter como um dos principais drivers de crescimento, o consumo interno, o nível de exportações cumpre um papel importante, sobretudo nos períodos que foram verificados crescimentos mais robustos. Não é sem motivos que algumas das empresas mais importante do índice Ibovespa são empresas relacionadas à commodities ou exportadoras de manufaturas de baixa tecnologia.

Petrobrás, Vale e outras

Nessa lista podemos incluir grandes empresas como Petrobras, Vale, Gerdau, JBS, Marfrig, entre outras. Portanto, é importante notar que dado o tamanho dessas empresas dentro da bolsa de valores brasileira, uma grande baixa ou alta das ações desse grupo de empresas tende a gerar um impacto no principal índice da bolsa brasileira.

Muitas dessas empresas possuem boa parte das suas receitas oriundas da exportação de seus produtos para China. Dessa forma, caso haja algum evento na economia chinesa e consequentemente nas bolsas de valores chinesas, a tendência é que essas empresas e outras que estejam que tenham receitas indexadas à China sejam afetadas tanto em movimentos negativos quanto em movimentos positivos.

Acompanhar a bolsa de valores da China pode antecipar uma movimentação

No caso dos impactos da bolsa chinesa na bolsa brasileira, os investidores que possuem investimentos na bolsa brasileira possuem uma vantagem. Essa vantagem é o fato da bolsa de valores chinesa ter sua abertura cerca de 12h antes da bolsa brasileira. Dessa forma, é possível ter uma ideia de como será a movimentação em relação ao mercado chinês no mercado brasileiro.

Portanto, é possível a partir dessa análise ter uma previsibilidade maior em análises de curto prazo. Todavia, é importante salientar que cada empresa é impactada em uma proporção diferente por movimentos desse tipo, até porque cada empresa possui estruturas de mercado diferentes e proporções diferentes de linhas comerciais com cada país.

Além disso, é sempre importante lembrar que esses movimentos são mais comuns em eventos mais bruscos, como por exemplo a Guerra Comercial EUA e China durante o Governo Trump nos Estados Unidos. Dessa forma, quedas e altas suaves do mercado chinês tendem a gerar poucos impactos em outras regiões.

Correlação entre as bolsas de valores de Estados Unidos e Brasil

A economia e a bolsas de valores dos Estados Unidos possuem uma forte influência sobre a maior parte das economias ao redor do mundo. Em relação, ao Brasil essa influência não é diferente, inclusive quando analisadas as trajetórias das bolsas de valores brasileira e americana em vários momentos da história, é possível verificar uma tendência similar.

A correlação entre as bolsas de valores americana e brasileira é ainda mais estreita do que a correlação com as bolsas de valores chinesas. Dado que além das relações comerciais que também cumprem papel importante, há uma série de empresas brasileiras listadas na NYSE ou na NASDAQ.

Ambev, Embraer, Braskem e outras

Em âmbito comercial, é possível listar ao menos cinco grandes empresas brasileiras que possuem forte ligação com a economia americana, as quais são:

  • Ambev;
  • JBS;
  • Embraer;
  • Braskem;
  • Gerdau;

No caso da Ambev, JBS e Braskem, essas empresas possuem inclusive operações importantes dentro do território americano e são impactados pelos movimentos da economia norte-americana. No caso da Gerdau, além de ter operações nos EUA, a metalúrgica também tem um percentual importante das suas exportações direcionado ao mercado norte-americano. Já em relação à Embraer, as áreas americanas respondem por boa parte das vendas dessa empresa.

Essas empresas, bem como outras que também possuem forte relação com a economia dos Estados Unidos possuem grande participação dentro da bolsa brasileira. Dessa forma, movimentos na economia americana e consequentemente nos índices de ações americanos tendem a ter impacto na bolsa brasileira.

Impactos nas empresas brasileiras listadas nas bolsas de valores dos Estados Unidos

Muitas empresas brasileiras são listadas na bolsa brasileira e em outras bolsas do mundo, mas em geral as empresas brasileiras que possuem ações em outras bolsas, possuem ações nas bolsas dos Estados Unidos. Dessa forma, quando há uma tensão no mercado de ações americano, isso tende a ter um impacto na bolsa brasileira.

Por exemplo, em um evento no qual haja uma queda generalizada na bolsa de NY, na qual está listada a Petrobras. Dessa forma, como tende a haver uma queda nas ações da Petrobras no exterior, esse movimento tende a respingar nas ações da Petrobras na bolsa brasileira. Portanto, existe uma relação ainda mais direta entre as bolsas americanas e a Bovespa.

Indicadores econômicos dos EUA podem gerar efeito em cadeia

Além do índice de ações em si das bolsas de valores americanas, é importante dar atenção a movimentos da economia americana, sobretudo alterações nas taxas de juros pelo Federal Reserve (Banco Central dos Estados Unidos).

Movimentos na taxa de juros americana tende a gerar transferências de capital alocado em ações para alocação em títulos do tesouro ou o movimento inverso. Dessa forma, em caso de elevação da taxa de juros americana, tende a haver uma migração de capital para os títulos do tesouro americano. Esse capital inclui tanto o capital alocado em mercados como o brasileiro como também capital alocado em ações dentro do próprio mercado dos Estados Unidos.

Dessa forma, é possível que uma alteração na taxa de juros pelo FED gere um efeito em cadeia, ou seja, uma baixa no índice S&P 500 e consequentemente uma queda no índice Ibovespa tanto pela saída direta de capital para os Estados Unidos quando impactados pela queda da bolsa americana.

Outras bolsas de valores que impactam a economia brasileira

Em geral, as duas bolsas de valores mais importantes em relação à impactar a bolsa de valores brasileira são as bolsas dos Estados Unidos e da China. Como apresentado, elas impactam a bolsa brasileira sobretudo devido à relação comercial que o Brasil possui com esses dois países, além das ações brasileiras listadas nas bolsas dos Estados Unidos.

Todavia, outros mercados podem impactar a bolsa brasileira, especialmente em caráter negativo. Outras bolsas de valores que podem ter esse impacto são de países que também compõe com o Brasil e grupo de países em desenvolvimento e alguma crise nesses países pode acarretar em saída em massa de investidores de mercados desse tipo.

Bolsas da Índia, Rússia, Turquia e outras

Alguns mercados que podem impactar o brasileiro nesse sentido são:

  • Índia;
  • Turquia;
  • África do Sul;
  • Rússia;
  • Argentina;
  • Coreia do Sul.

BRICS

Entre esses países, a maior parte deles possuem economias com proporções similares à brasileira. No caso da Rússia, ela possui maior poderio econômico, contudo, uma crise na Rússia tende a gerar impactos negativos sobretudo nos países dos BRICS. No caso da Argentina, os impactos se dão pela estreita relação comercial que ela possui com o Brasil.

No caso do contágio entre bolsas desses países e o Brasil, é importante ressaltar que esses impactos seriam gerados em casos de crises mais severas que gerassem um temor generalizado nos investidores. Portanto, variações menores nessas bolsas de valores não tendem a impactar a bolsa brasileira, diferente das bolsas chinesas e americanas.

Ações brasileiras listadas em outras bolsas de valores mundiais

Existem ações de empresas brasileiras listadas nas principais bolsas de valores do mundo, indo além das bolsas de valores americanas. É o caso da Vale, por exemplo, que está listada na bolsa de Hong Kong.

Contudo, não há grandes grupos de empresas brasileiras listadas em bolsas de valores fora dos Estados Unidos. Dessa forma, outros mercados com ações brasileiras tendem a gerar impacto exclusivamente nessa empresa específica e não na bolsa brasileira como um todo.

Dessa forma, um ponto a sempre dar atenção é analisar em quais mercado a ação que está sendo comprada é negociada. Dessa forma, é possível analisar tanto os movimentos no mercado brasileiro como na outra bolsa de valores que determinada ação é negociada.

Crise Coronavírus retangular

Correlação entre as bolsas de valores em crises globais e pandemias

As crises globais, como a crise financeira de 2008, ou então movimentos de caráter global como a pandemia do Coronavírus de 2020 tende a gerar uma queda generalizada da maior parte das bolsas de valores pelo mundo.

Quando analisado períodos como esses, é possível verificar que ações internas nos países pouco impactam os principais índices de ações das bolsas de valores. Em geral, os investidores ficam mais avessos ao risco e diminuem os movimentos dentro do mercado, sobretudo os movimentos de compra.

Nesse sentido, os movimentos dos dois principais mercados do mundo, no caso EUA e China, tendem a determinar como as demais bolsas de valores do mundo irão agir. Contudo, nesses momentos as ações da economia americana possuem impacto ainda maior, dado que eles acabam sendo o destino dos investidores em busca de maior segurança para seu capital.

Momentos como esse, em geral, são os que geram maior volatilidades nos mercados financeiros mundiais. Dessa forma, o principal indicador nesse caso é a economia americana, dada a sua capacidade de liderar o retorno ao crescimento do mundo inteiro.

Nesse caso, a bolsa brasileira tem uma leve desvantagem que é o fato de abrir antes da bolsa americana. Contudo, os movimentos nas bolsas de valores são tão similares nesse período que as bolsas europeias por exemplo que abrem algumas horas antes da bolsa brasileira, também podem servir de indicador para tentar antecipar alguma movimento dentro da bolsa de valores brasileira.

Um ponto a ressaltar é que apesar dos índices das bolsas, em geral, caírem nesses períodos, não são todas as empresas que são afetadas. Dessa forma, também é importante certo cuidado para não haver precipitação nessas ocasiões.

Análise fundamentalista e value investing não podem ser esquecidos

Compreender a correlação entre as bolsas de valores pode ajudar a melhorar a rentabilidade do investidor, contudo, é importante lembrar que bons critérios para investir são a maior garantia de bons resultados.

Nesse sentido, utilizar o value investig, cujo pai dessa forma de investimento foi Benjamin Graham, costuma ser a melhor alternativa. A compreensão das relações entre as bolsas colabora inclusive para aliviar a tensão em momentos de instabilidade, pois, conhecendo bem os mercados é mais fácil compreender o que está acontecendo na bolsa de valores.

Além disso, utilizar o value investing como filosofia de investimento, favorece ao investidor aproveitar chances de investimentos a baixo custo que são gerados por instabilidade inerentes ao mercado financeiro.

Dessa forma, movimentos de queda da bolsa de valores brasileira, gerados unicamente por uma instabilidade em outros mercados, como o chinês, por exemplo, ou então por algum evento global, podem fazer com que empresas com bons fundamentos apresentem ações com baixo preço para investimento.

Bolsa de valores não possui alma própria

O conhecimento de como a bolsa funciona é importante, todavia, é interessante compreender ela apenas como um lugar no qual é necessário ir para investir em ações. Ou seja, a bolsa de valores não possui uma alma própria que sobe e desce quando deseja, o importante nela são as empresas e quem deve ser levado em conta para investir são as empresas.

Warren Buffet cita que para investir em ações, é necessário analisar os fundamentos das empresas e esquecer que existe bolsa de valores. Dessa forma, você só vai até a bolsa de valores quando deseja comprar mais ou vender. Ou seja, você utiliza o mercado financeiro no sentido mais estrito da palavra mercado.

Portanto, a análise em última instância de um investimento, é a análise da companhia. Em segundo plano, é possível compreender a lógica na qual o mercado em conjunto opera e dessa forma obter uma vantagem extra justamente por entender como essa dinâmica ocorre no dia-a-dia.

Assessoria de Investimentos - Crise 3

Considerações finais

Conhecer melhor a lógica do mercado é um instrumento que tende a ajudar a maior parte dos investidores a melhorar a rentabilidade da sua carteira. Diversificação, instrumentos de proteção como faz Ray Dalio, análises setoriais, informação e técnicas em geral devem ser sempre usadas a nosso favor no momento de montar e durante a manutenção de um portfólio.

Nesse sentido, é importante compreender o que pode afetar as empresas das quais se é detentor de ações. Entre esses impactos, estão as demais bolsas de valores do mundo que possuem potencial de prejudicar ou melhorar o desempenho de determinada empresa. Dessa forma, saber como cada uma afeta o mercado brasileiro é imprescindível.

Não há dúvidas que a análise fundamentalista e a lógica do value investing devem ser a prioridade das decisões de investimento. Contudo, como já salientaram grandes investidores, inclusive brasileiros, como Luiz Barsi e Luiz Alves Paes de Barros, momentos de tensão geram boas oportunidades de compras de ações a preços reduzidos.

Portanto, a correlação entre as bolsas de valores do mundo, podem afetar a bolsa de valores brasileira, sobretudo a curto prazo. Contudo, dificilmente esse impacto será um impacto duradouro mas entende-lo colabora para movimentos financeiros de curto prazo.

Vinicius Brandao

Por Vinicius Brandao

É economista e autor no blog Caminho para Riqueza.

Comentários