Você gostaria de investir, mas está sem tempo disponível? Pois saiba que há boas alternativas para juntar dinheiro e você pode começar a colocá-las em prática a partir de agora.

As 6 dicas deste artigo envolvem desde a conscientização dos gastos pessoais e recomendações para pôr fim às dívidas, até maneiras de definir objetivos para o dinheiro que você ganhar.

Dê seu primeiro passo rumo à prosperidade financeira ao ler este material e comece já a investir! Acompanhe!

1. Conte com um assessor de investimentos

É natural que quem começa a investir se pergunte: “para qual direção dou meu primeiro passo?” O profissional que pode ajudar a solucionar essa dúvida é o assessor de investimentos. Ele auxilia o investidor na procura pelos melhores investimentos para proporcionar uma vida financeira tranquila.

Outra demanda comum por assessoria de investimentos é quando o cliente precisa de ajuda para reequilibrar as finanças. Para que esse trabalho seja satisfatório, a confiança deve ser mútua. O investidor deve informar a situação financeira em que se encontra e quais objetivos tem em mente ao ingressar no mercado financeiro.

Com as informações coletadas, o assessor mapeia qual investimento será ideal para o perfil do cliente e fornece orientações preciosas. Sem dúvida, o apoio de um profissional representa ganho tempo e, no futuro, de dinheiro.

É importante salientar, no entanto, que as atividades de assessoria de investimentos são regulamentadas. Ao procurar por auxílio, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que regula e fiscaliza esse mercado, orienta que você exija do profissional habilitação junto ao órgão e experiência no ramo e as devidas certificações.

2. Poupe todos os dias

A recomendação é bem conhecida, mas muita gente tem dificuldades para gastar menos do que recebe. Para que você tenha uma noção, uma pesquisa constatou que 6 em cada 10 brasileiros não têm o hábito de guardar dinheiro. O que fazer, então, para poupar desde já e garantir um dinheiro a mais?

Colocar na ponta do lápis os gastos pessoais é uma atitude simples, mas bastante significativa para ter a percepção da real utilidade de cada um deles. Com as despesas listadas, organize-as em ordem de necessidade e risque aquelas que se revelam supérfluas.

Você realmente precisa das vantagens que seu plano de telefonia oferece? Aquele almoço requintado fora de casa é mesmo necessário? Comece a refletir por aí.

Se houver dificuldade em cortar os gastos, avalie se o seu consumo é compatível com o seu padrão de vida. Uma dica valiosa é baixar uma planilha de orçamento para organizar suas finanças e, desse modo, poupar dinheiro.

3. Dê fim às dívidas

As dívidas corroem a sua renda, ainda mais se os juros forem exorbitantes. Para ter controle sobre elas, liste-as por ordem decrescente de valor — o mesmo princípio empregado na checagem dos gastos ensinada acima. Descreva o quanto deve e os juros cobrados.

A princípio, é importante concentrar esforços nas dívidas mais caras, que estão no topo da lista, cujos juros as transformam em uma bola de neve. Nesse quesito, os juros do cartão de crédito rotativo e do cheque especial são os grandes vilões: eles atingiram 486,8% e 328,3% ao ano, respectivamente.

Se a situação estiver apertada, troque-as por dívidas mais baratas ou as renegocie. Com organização financeira — seja cortando gastos, produzindo mais ou arrumando renda extra — somada a um planejamento para honrar os compromissos, aos poucos o seu orçamento caminhará para o azul.

Incorpore esses hábitos na rotina para não ser prejudicado com mais dívidas e consiga, assim, juntar cada vez mais dinheiro.

4. Defina objetivos mensuráveis

É um erro investir recursos em uma determinada aplicação e esperar que os rendimentos apareçam como um passe de mágica. Essa estratégia só gera perda de tempo — e tempo é algo que você não tem de sobra, certo? Para evitá-la, trace objetivos mensuráveis para que os investimentos rendam da maneira mais proveitosa possível.

Definir um objetivo mensurável nada mais é que saber a que ponto você quer chegar ao realizar uma aplicação financeira. Exemplos comuns de objetivos financeiros são:

Repare que os objetivos são concretos e específicos. Imagine se o objetivo definido fosse “ficar rico”. O que isso quer dizer? Quanto você deveria aplicar para chegar lá? Qual perfil seria adequado para tal?

Definições genéricas só conduzirão à perda de foco e dificuldade para acompanhar os investimentos, atitude necessária caso seja preciso mudar as estratégias para investir dinheiro.

5. Avalie as modalidades de investimento

Qual o melhor tipo de investimento para ajudar você a alcançar seus objetivos? Se você não tem uma resposta clara para essa pergunta, chegou a hora de se informar sobre quais são os tipos de investimentos no mercado financeiro.

Saber o que cada modalidade rende, quais os riscos e os prazos, por exemplo, já permitirá que você entenda qual seria o seu perfil de investidor e qual investimento escolher para tornar seu objetivo realidade. Lembre-se: para cada finalidade, um investimento deve ser pensado.

Pensando nisso, dê uma olhada na lista abaixo sobre os tipos de investimentos — vários deles já foram explicados no blog:

6. Conhecimento, o melhor ativo

Sem dúvida, o estudo não se limita a conhecer as modalidades de investimentos para fazer seu dinheiro render. Estudar — por meio de livros, blogs, artigos ou vídeos — deve ser uma prática diária.

Não vale deixar os estudos de lado com a desculpa de que finanças são um assunto complexo e que só aqueles que “mandam bem” nos números são capazes de entendê-las. Com dedicação, você perceberá que lidar com as finanças não é tão complicado assim.

Se realmente você quer juntar dinheiro e adquirir a sua prosperidade financeira, o esforço valerá a pena. Como o título deste tópico adiantou, o bem mais valioso é o conhecimento. Você será guiado por ele nas decisões e a sua visão sobre dinheiro mudará radicalmente — e para melhor.

Afinal, você tomará consciência da importância dos seus bens antes de comprar um produto ou contratar um serviço — ou de decidir em quais papéis investir.

Para finalizar, fique com uma provocação daquele que é considerado o maior investidor do mundo, o americano Warren Buffet:

“o risco vem de não saber o que você está fazendo”.

Perceba que, antes de começar a juntar dinheiro, é necessário ter consciência da sua situação financeira atual e planejar-se para que os objetivos traçados sejam cumpridos. Dessa forma, você terá mais segurança ao construir sua riqueza com investimentos.

Você tem outras dicas para juntar dinheiro sem ter muito tempo? Compartilhe-as nos comentários!

Seja informado a cada novo post!

Assine e receba novos posts diretamente em seu email

Sobre o autor

Avatar

Caminho para Riqueza

Caminho para Riqueza é um blog de educação focado em investimentos financeiros.